TRADUTOR

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

A DIALÉTICA DE LENIN

Sobre a questão da Dialética

V.I.Lenin

Introdução
O fragmento “Sobre a questão da Dialética” foi escrito por Lenin em Berna, Suíça, em 1915, encontra-se nos “Cadernos Filosóficos”, entre o resumo do livro de Lassalle acerca da filosofia de Heráclito e o resumo da Metafísica de Aristóteles. No entanto, as referências a “Metafísica” que figuram neste fragmento permitem presumir que foi redigido após Lenin ter lido a obra de Aristóteles. O fragmento é, portanto, uma espécie de balanço do trabalho de Lenin sobre os problemas filosóficos em 1914-1915.

Quando foi publicado pela primeira vez, em 1925, na revista Bolchevik, o Instituto Marxismo Leninismo, anexo ao CC do PCUS fez a seguinte nota:

"Neste texto, Lenin analisa a dialética da unidade e da luta dos contrários, a concepção metafísica e a concepção dialética do desenvolvimento, as categorias de absoluto e relativo, do abstrato e do concreto, do geral, do particular e do singular, do lógico e do histórico, etc. Ele põe em evidencia o caráter dialético do processo de conhecimento e mostra as raízes gnosiológicas e as raízes de classe do idealismo."
Os Cadernos Filosóficos de Lenin revelam um método de estudo comprovadamente eficaz, estudar escrevendo, cotejando e dialogando com o autor e suas fontes. Foram anotações de grande profundidade filosófica realizadas em plena Primeira Guerra Mundial. Um leitor mais desatento pode vir a pensar que se trata de um capricho diletante dedicar-se a tal estudo em meio a convulsão generalizada na Europa e em um momento que milhares de proletários são enviados para os campos de batalha para serem trucidados pela carnificina da primeira guerra imperialista. Paralela a sua atividade militante de organizar os internacionalistas autênticos para construir uma nova internacional, nesse momento Lenin também priorizou o estudo de Hegel. Segundo Lenin, é impossível compreender plenamente O Capital de Marx e especialmente o primeiro capítulo, se não sem estudar e compreender inteiramente a Lógica de Hegel. Esses estudos inegavelmente possibilitaram o salto de qualidade na elaboração militante do mesmo, tornando-o imprescindível (segundo Trotsky) no comando da revolução de outubro dois anos depois.

Essa tradução foi elaborada por Humberto Rodrigues a partir do estudo comparado entre a versão inglesa do texto de Lenin publicada no Marxist internet Archiv; da versão castellana do mesmo site, da revisão da tradução de Moacir Gadotti publicada na revista “Socialismo e Democracia”, número 4, de outubro/dezembro de 1984 e sobretudo da edição impressa em castellano dos Cadernos Filosóficos de Lenin (Editora Ayuso), publicado de acordo com o manuscrito cujo fac-símile ilustra esse documento. Os Cadernos Filosóficos de Lenin, assim como os Grundisse de Marx, os Cadernos do Cárcere de Gramsci, e os Cadernos sobre o imperialismo do próprio Lenin, não foram trabalhos preparados para a publicação, mas produto da reflexão interna dos autores para utilização pessoal. Todavia, apesar de algumas limitações decorrentes do fato de serem meros estudos de fundamentação geral e investigações de seus autores, da falta de sistematização que parecem ter, esses trabalhos são valiosíssimos para que o leitor possa aprender, no caso, a dialética, acompanhando a evolução igualmente dialética do pensamento de Lenin. Os destaques sublinhados foram feitos por Humberto, os demais destaques no texto: negrito, itálico, caixa alta, etc, são do próprio Lenin.


Sobre a questão da Dialética

V.I.Lenin, 1915

A essência da dialética está na divisão de um todo e o conhecimento de suas partes contraditórias. [ 1 ] Essa é uma das principais se não a característica principal da dialética. É precisamente como Hegel também formula esta questão. [ 2 ]

A justeza deste aspecto do conteúdo da dialética deve ser verificada na história da ciência. Geralmente (como, por exemplo, nas obras de Plekhanov), não se dá a atenção suficiente a este aspecto da dialética: a identidade dos contrários é considerada como uma soma de exemplos ["por exemplo: “as sementes”, "o comunismo primitivo", o mesmo acontece com Engels. Mas ele faz isso "para fins de divulgação"...], e não como uma lei do conhecimento (a lei do mundo objetivo).

Em matemática: os sinais (+) e ( - ) ou Diferencial e integral.
Na mecânica: ação e reação.
Em física: eletricidade positiva e negativa.
Em química: a combinação e a dissociação dos átomos.
Nas ciências sociais: a luta de classes.

A identidade das contradições (talvez fosse mais correto dizer sua "unidade", embora a diferença entre os termos “identidade” e “unidade” não tenha, neste caso, uma importância essencial e, em algum sentido, ambos os termos são justos), constitui o reconhecimento (descoberta) da existência de tendências contraditórias e mutuamente excludente e antagônicas em todos os fenômenos e processos da natureza (tanto os do espírito quanto os da sociedade). A condição para o conhecimento de todos os processos do universo em seu "automovimento", em seu desenvolvimento espontâneo, em sua vida real, está na unidade das contradições. As duas concepções fundamentais (as duas possíveis ou as duas historicamente observadas) do desenvolvimento (evolução) são: desenvolvimento no sentido de diminuição e aumento, como repetição, e desenvolvimento no sentido da unidade dos contrários (a divisão da unidade em dois pólos mutuamente excludentes e a relação entre eles).

A primeira concepção, o auto-movimento, sua força impulsora, a sua fonte, o seu motivo ficam obscurecidos (melhor dizendo, a sua força é atribuída a algo externo: Deus, a ideia, etc.). A segunda concepção tem como foco principal precisamente o conhecimento da fonte do “auto”movimento.

A primeira concepção é inerte, insípida, ressecada. A segunda é viva. Apenas a segunda dá a chave para a "automovimento" de tudo o que existe; somente a concepção do desenvolvimento no sentido da unidade dos contrários explica os "saltos" que "quebram a continuidade do desenvolvimento", a "mudança em favor do seu contrário", a destruição do velho e o surgimento do novo.

A unidade (coincidência, identidade, equivalência) das contradições é condicional, temporária, transitória, relativa. A luta dos contrários, excluindo-se mutuamente, é absoluta, como são absolutos o desenvolvimento e o movimento.
__________
A diferença entre a dialética e o subjetivismo (ceticismo, sofismo, etc.) reside, entre outras coisas, porque para a dialética (objetiva) a diferença entre o relativo e o absoluto é relativa. Para a dialética objetiva existe um absoluto dentro do relativo. Para o subjetivismo e a sofística o relativo é apenas relativo, excluindo o absoluto. [ 3 ]
___________

Em O Capital, Marx analisa primeiro a relação mais simples, comum, ordinária, cotidiana, fundamental, a mais popular relação da sociedade burguesa (mercantil), que se realiza bilhões de vezes na sociedade burguesa (de negócios): a troca de mercadorias. A análise deste fenômeno tão simples (nesta "célula" da sociedade burguesa) revela todas as contradições (ou seja, o germe de todas as contradições) da sociedade moderna. A discussão a seguir nos mostra o desenvolvimento (crescimento e movimento) dessas contradições e da sociedade na soma de suas partes individuais, desde o seu início até ao seu fim.

Esse deve ser o método de exposição (e estudo) da dialética em geral (porque para Marx a dialética da sociedade burguesa é apenas um caso particular da dialética). Que se comece pelo mais simples, comum, cotidiano, etc, com QUALQUER proposição: As folhas da árvore são verdes; João é um homem; Capitão é um cachorro, etc. Como observou Hegel de forma genial, em todas essas proposições existe dialética. O INDIVIDUAL É o universal [ 4 ]: Portanto, os contrários (o individual se opõe ao universal) são idênticos, o individual existe apenas através da relação que o conduz o universal. O universal existe apenas no individual e através do individual. Cada elemento individual é (de uma forma ou de outra) universal. Todo universal é (um fragmento, ou um aspecto, ou a essência de) um individual. Todo universal abrange nada menos que todos os individuais. Cada indivíduo compõe de forma incompleta o universo, etc., etc. Todo o indivíduo está ligado por milhares de mediações com outros TIPOS de indivíduos (coisas, fenômenos, processos), etc. Aqui já se expressam os elementos, os germes, os conceitos da necessidade, da conexão objetiva na natureza, etc. Aqui já temos o contingente e o necessário, o fenômeno e a essência; quando dizemos: As folhas da árvore são verdes; João é um homem; Capitão é um cachorro, etc., nós desconsideramos uma série de atributos contingentes; separamos a essência da aparência, e contrapomos uma à outra.

Assim, em qualquer proposição podemos (e devemos) explicar como um "núcleo" (ou uma "célula") contém os germes de todos os elementos da dialética, e, com isso, mostrar que a dialética é uma propriedade de todos os conhecimentos humanos em geral. As ciências da natureza nos mostram (e aqui novamente deve ser demonstrado em qualquer simples exemplo) a natureza objetiva com as mesmas qualidades, a transformação do individual no universal, do contingente em necessário [ 5 ], transições, mediações, modulações, e a ligação recíproca dos contrários. A dialética é a teoria do conhecimento (de Hegel) do marxismo. Este é o "aspecto" do assunto (não é "um aspecto", mas a essência do assunto) ao qual Plekhanov, para não falar de outros marxistas, não deram atenção.

***

O conhecimento é representado sob a forma de uma série de círculos tanto por Hegel (ver na Lógica) como por Paul Volkmann, o moderno "epistemólogo" da ciência natural, e eclético inimigo do hegelianismo (doutrina que Volkmann nunca entendeu!) (ver em Erkenntnistheorische Grundzüge, [6] ).

__________
Os "Círculos" na filosofia: [ a cronologia das pessoas é essencial? Não! ]

Antiguidade: a partir de Demócrito a Platão e a dialética de Heráclito .

Renascimento: Descartes versus Gassendi ( Spinoza ?)

Modernidade: Holbach - Hegel (a partir de Berkeley, Hume, Kant).
Hegel - Feuerbach - Marx
___________

A Dialética como conhecimento vivo, multifacetado (com um número de aspectos que crescem eternamente), com uma infinita quantidade de nuances de cada aspecto abordado e aproximações da realidade (com um sistema filosófico que se converte em um todo a partir de cada matiz) [ 7 ] - aqui está um conteúdo imensamente rico em comparação com o materialismo “metafísico”, cuja infelicidade fundamental reside em sua incapacidade de aplicar a dialética à Bildertheorie, [ 8 ] ao processo e desenvolvimento do conhecimento.

__________
O idealismo filosófico é tão somente um absurdo do ponto de vista do materialismo vulgar, simples e metafísico. Por outro lado, do ponto de vista do materialismo dialético, o idealismo filosófico é um desenvolvimento unilateral, exagerado, überschwengliches (Dietzgen) [ 9 ] de uma das características, aspectos, facetas do conhecimento que se converte assim em um absoluto, divorciada da matéria, da natureza, divinizado, levado a apoteose. Verdade. Mas o idealismo filosófico é ("mais corretamente" e "além" dele) um caminho para o obscurantismo clerical através DE UM DOS MATIZES do conhecimento infinitamente complexo (dialético) do homem.
___________

O conhecimento humano não é (ou não segue) uma linha reta, mas uma curva que se aproxima infinitamente a uma série de círculos, a uma espiral. Todo fragmento, seção ou segmento de uma curva pode ser convertido (transformado unilateralmente) em uma reta independente completa que então (como as árvores impedem a visão do bosque) conduz ao pântano, ao obscurantismo clerical (onde fica ancorada pelos interesses das classes dominantes). O avanço retilíneo e a unilateralidade, a rigidez e a petrificação, o subjetivismo e a cegueira subjetiva: aí estão as raízes epistemológicas do idealismo. E o obscurantismo clerical ( = idealismo filosófico), por suposto, tem raízes epistemológicas, ele não deixa de ter fundamento é, incontestavelmente, uma flor estéril, mas uma flor estéril que cresce na árvore viva do conhecimento humano, vivo, fértil, autêntico, poderoso, onipotente, objetivo, absoluto.


Notas

1. Ver a citação de Filón em Heráclito, no início da Parte III "Sobre o conhecimento", citado por Lassalle em seu texto “Heráclito”. Esta citação é reproduzida na página 336 (Editora Ayuso) dos Cadernos Filosóficos de Lenin: “Porque o Uno é composto de dois contrários, de forma que ao dividí-los em dois, esses contrários aparacem. Por acaso não é esse o princípio que, a partir dos gregos, seu grande e célebre Heráclito colocava como fundamento de sua filosofia e que se entendeu como um novo descobrimento?” … “Do mesmo modo, o mundo está dividido duas partes que se contrapõe mutuamente: a terra – em montanhas e planícies; a água – em doce e salgada… E também a atmosfera – em inverno e verão, e além disso, em primavera e outono.” [ Nota do tradutor ];

2 Assim como Heráclito, contra quem Aristóteles em sua obra Metafísica choca-se continuamente;

3. Isso significa que para a dialética objetiva a sentença “tudo é relativo” também é relativa uma vez que faz parte do “tudo”. Portanto, algo existe de absoluto dentro do relativo, do movimento, no instante, na definição conceitual de um fenômeno e objeto sob determinadas condições temporais. [ Nota do tradutor ];

4. Conferir na Metafísica de Aristóteles, trad. Schwegler, vol II, p 40, Parte 3, Capítulo IV, 8-9 ... ". denn natürlich kann man nicht der Meinung pecado, dass es ein Haus (a casa em geral ) Gebe außer den sichtbaren Häusern, "" ού γρ άν ΰείημεν είναί τινα οίχίαν παρα τχς τινάς οίχίας " . Porque não se pode sustentar o argumento de que é possível que exista uma casa em abstrato (em geral) além das casas que são visíveis”. Lenin insere a primeira passagem em alemão e a compara com o original grego;

5. A transformação do contingente em necessário inspira a observação de Trotsky de que as revoluções são impossíveis até que se tornam inevitáveis;

6. P. Volkmann, Erkenntnistheorische Grundzüge der Naturwissenschaften (Fundamentos epistemológicos da ciência e sua relação com a vida intelectual do presente), Leipzig-Berlim, 1910, p. 35.- Ed. Volkmann foi um físico alemão e reitor da Universidade de Königsberg, Prússia (Alemanha);

7. Para Hegel a verdade é o todo. A consciência das múltiplas contradições com sua profusão de aspectos eternamente crescentes. “A consciência percebente é cônscia da possibilidade da ilusão, pois na universalidade, que é (seu) princípio, o ser - Outro é para ela, imediatamente: mas enquanto nada, (como) suprassumido. Portanto, seu critério de verdade é a igualdade-consigo-mesmo, e seu procedimento é aprender o que é igual a si mesmo. Como ao mesmo tempo o diverso é para ela, a consciência é um correlacionar dos diversos momentos de seu apreender. Mas se nesse confronto surge uma desigualdade, não é assim uma inverdade do objeto - pois ele é igual a si mesmo - mas (inverdade) de perceber. (HEGEL, G.W.F., Fenomenologia do Espírito. Petrópolis: Editora Vozes, 1992, p. 86, § 116) [ Nota do tradutor ];

8. Bildertheorie: teoria da reflexão;

9. Überschwengliches: inflação, distençã, efusão.