TRADUTOR

sexta-feira, 21 de abril de 2017

COLABORAÇÃO DE CLASSES DESORGANIZA OS TRABALHADORES

A colaboração de classe a serviço de desorganizar os trabalhadores
Davi Lapa, operário da construção civil, um dos fundadores do PT e hoje militante da FCT

Está acontecendo o desenvolvimento rápido da insatisfação causada pelo governo golpista com medidas tão anti-populares que não tem como a população apoiá-lo apesar da TV e jornais o defenderem e das propagandas oficiais. Nem a ditadura militar teve a ousadia de tomar as medidas que esses golpistas estão tomando. No período da ditadura havia a resistência armada, as organizações operaria que se organizavam na clandestinidade pra resistir as intervenções nos sindicatos. Hoje temos uma esquerda completamente adaptada a conciliação de classe, com centrais sindicais fazendo a agenda 2018.
video
6 anos depois desse discurso, 90% dessa plateia financiou o Golpe de Estado e quer o Lula na cadeia, provando que o capital não tem gratidão e que com ele não dá para conciliar. O maior crime de Lula foi a colaboração de classes, crime que não compensa. Não compensou sequer para o PT e seus dirigentes. Nunca houve, não há, nem haverá "harmonia entre capital e trabalho". Mais uma vez a tragédia do PT comprovou que isso é uma ilusão oportunista e suicida.
Com a inviabilidade da candidatura de Lula, caçada pelos golpistas, talvez acordem ou vão sumir do mapa dando condições pra novas lideranças. Quando os sindicatos sofrerem pressão da base. Ai estaremos vislumbrando alguma mudança de rumo na organização dos trabalhadores.

Derrubar o Temer pode dar forca ao movimento, por outro lado depois dele aprovar as medidas que foram conferidas a ele, será também de interesse dos golpistas tirá-lo. Ou trazemos a população descontente pro nosso lado ou a direita vai fazer isso. A queda de temer pode ser um "Fora Collor!", onde confluíram esquerda e direita pela direita e não mais pelo centro burguês como do Itamar. O PSTU com "FORA TODOS" chama para essa confluência. Com a popularidade de Temer em queda livre, já abaixo das de todos os presidentes anteriores em tão pouco tempo de mandato, ele vai ser derrubado por pressões de todos os lados. O problema é pelo que vão substituí-lo provisória ou permanentemente.

Se conseguirem inviabilizar a candidatura do Lula, vai ser provisória. Mas se os golpista não conseguirem vai ser permanente. São as saídas golpistas. Golpe dentro do golpe. Já estão limpando o caminho tirando o PMDB e PSDB.

A colaboração de classes e o oportunismo é uma doença tão grave que causa retardo e autofagia. Só há uma chance do Lula ser candidato, o PT fustigar um movimento de massas tão forte que fique impossível o regime burguês com outro partido governando. Mas o PT, depois de golpeado, preso e perseguido, nem sequer joga peso nos protestos contra a ameaça do Lula ser preso no dia 3 de maio, quando for depor em Curitiba para Sérgio Moro e a “Lava jato”. Não estão movendo uma palha a favor do Lula.

Se a coisa apertar vão negociar uma saída honrosa pro Lula. Como o elemento fundamental é a autoridade política do Lula, é difícil chegarem a uma "saída honrosa" que explique porque ele não quer ser mais candidato. Será honrosa do ponto de preservar a imagem. Ele pode armar uma situação de que seu câncer está piorando e desistir das eleições por questão de saúde.

Ele só está com o nome, o partido está acuado. O partido foi moldado pelo caráter dele.
Está repetindo o mesmo discurso que o elegeu a uma década atrás. É um idealista falido que ainda não se deu conta da realidade.

Não se pode esperar nada de um governo de colaboração de classe, que é a marca registrada do Lula, até se orgulha disso.

A própria Dilma foi eleita com discurso um pouco mais a esquerda. Mas assim que começou o governo já começou a tomar medidas contra os trabalhadores, só que seria a conta-gotas, mas o imperialismo tem pressa e não podia esperar tratou de tira lá do caminho e está querendo aprovar tudo o mais rápido possível.

Se Lula for eleito vai governar pra quem? Se quando estava em melhor situação fez colaboração de classe e ao final desarmou os trabalhadores para reagir a atual ofensiva do capital.

O Governo do PT colocou a organização dos trabalhadores abaixo de zero e é de onde vamos ter que começar. Organizando pela base teremos a oportunidade de construir o verdadeiro trotskismo operário, porque o "trotskismo" que temos ai tá contaminado por vícios pequeno burgueses. Precisamos formar quadros conhecedores das lições deixadas pela experiência da Revolução Permanente, que saibam desmistificar a ilusão da democracia burguesa e da dependência ao imperialismo, que não tenham nenhuma ilusão na política etapista dos reformistas e que ensinem que só há uma saída: A democracia dos trabalhadores organizados.